terça-feira, 12 de janeiro de 2016

N S dos Remedios


Oração

Ó Virgem bendita, nós Vos louvamos, sob o título, para nós tão querido, de Nossa Senhora dos Remédios.

Cada um de nós confessa que é um doente da alma mas, ao mesmo tempo, cada um de nós reconhece também que Vós nos destes Cristo, Remédio Universal para todo o pecado do mundo.

Por isso, prostrados aos Vossos pés, suplicamos ardentemente que, pela Vossa intercessão, nos sejam aplicados os méritos infinitos da Redenção.

Confiamos na Vossa onipotência suplicante, pois sabemos que o Senhor pôs em Vossas mãos a distribuição dos favores celestes.
Dizei-lhe, como Maria de Betânia, que está doente aquele a quem tanto ama.
Fazei descer sobre nós a graça divina, suficiente a cada estado de vida, e movei-nos a torná-la eficaz pela nossa fiel correspondência.
Tirai, Senhora, tirai deste tesouro inesgotável, que é o Coração do Vosso Filho, esta graça que com particular fervor Vos pedimos.
Dai-nos que perseveremos docilmente, e até à morte, no Vosso amor e no do Vosso Filho Jesus, que com o Pai e o Espírito Santo vive e reina por todos os séculos. Assim seja.

Oração a Nossa Senhora dos Remédios
Ó Virgem Santa, filha predileta do Pai,

Mãe de Jesus Cristo e 
Templo vivo do Espírito Santo.
Nós vos invocamos como nossa Mãe e Saúde dos doentes.
Ó Senhora dos Remédios, assisti-nos em nossas enfermidades corporais e espirituais.
Abençoai as nossas famílias.
Daí-nos força para que sejamos bons cristãos, seguindo o exemplo de Jesus.
Queremos viver sempre como vossos filhos.Nossa Senhora dos Remédios, rogai por nós.

A  HISTÓRIA DE NOSSA SENHORA DOS REMÉDIOS

A devoção a Nossa Senhora, sob o título dos Remédios (ou Bom Remédio, do Remédio), começou com São João de Matha, fundador na Ordem da Santíssima Trindade, e morto em Roma em 17 de dezembro de 1213. Com o objetivo de resgatar os cristãos escravizados na África e no Oriente Médio, São João da Mata e São Felix de Valois fundaram em 1198 a Ordem Hospitalar da Santíssima Trindade. Precisavam, para isso, de vultosas somas em dinheiro. Recorreram, então, ao auxílio de Maria Santíssima, o remédio para todas as necessidades que encontramos na vida. Foram abundantemente atendidos e conseguiram libertar da escravidão milhares de irmãos na Fé.

Na linguagem medieval, os verbos “redímere” e “remediare” e os substantivos “redémptio” e “remédium”, tinham um significado similar: redimir, resgatar, resgate, remédio (com o sentido de salvação, libertação). Isto explica porque, nos escritos dos séculos XVI-XVII, se dão a padroeira os três títulos: “do Remédio”, “do Resgate”, “da Libertação”.

A representação mais antiga hoje conservada é uma imagem românica, que pertenceu à primeira casa dos trinitários em Marselha: a Virgem está sentada, com o Menino no braço esquerdo e com a bolsa de dinheiro no direito. A bolsa alude, como relatam muitos biógrafos, à aparição e ao socorro dado por Nossa Senhora a São João de Matha, em Túnis e em Valência (Espanha). São João de Matha estava sendo atormentado pelos muçulmanos que exigiam o preço duplicado por escravos já resgatados, sob ameaça de reconduzi-los em prisão. Tendo-lhe suplicado fervorosamente como Mãe do Bom Remédio, foi por Ela miraculosamente provido.

Segundo o livro “Invocações da Virgem Maria no Brasil” de Nilza Botelho Megale (3ª. Edição- Ed. Vozes), esta invocação, de sabor tipicamente colonial, era muito popular na velha Lusitânia, principalmente nas cidades de Santarém e Lamego. Foi introduzida em Portugal por religiosos franceses da Ordem da Santíssima Trindade para a redenção dos cativos, que estiveram em Lisboa no início do século XIII.

No Brasil, Nossa Senhora do Bom Remédio é mais conhecida com o título de “Nossa Senhora dos Remédios”. Os frades Trinitários, com suas Confrarias e os devotos, se empenhavam na difusão de suas devoções específicas e assim trouxeram para o Brasil o culto da Virgem dos Remédios, em honra da qual ergueram capelas em várias províncias do Nordeste (Maranhão, Pernambuco e Bahia) e nas regiões barrocas de Minas Gerais.
Em Paraty, sua primeira igreja foi edificada em 1646 num terreno doado por Maria Jácome de Melo, sob a condição de que fosse dedicada à invocação de Nossa Senhora dos Remédios, da qual era muito devota. Nos fins do século XVIII foi iniciada outra matriz, ainda hoje inacabada, pois não possui as duas torres, que encerra alfaias e imagens de grande valor, como a antiga efígie da Senhora dos Remédios, considerada milagrosa.
m São Paulo, a igreja dos Remédios, com seu frontispício de azulejos e sua história recheada de lendas, estava situada na Praça João Mendes. Era o refúgio dos escravos perseguidos e, nos últimos tempos do Império, o reduto preferido dos abolicionistas. Em 1941 ela foi demolida para o alargamento da praça, conhecida antigamente como Largo dos Remédios.

Dedicada a Nossa Senhora dos Remédios é também a única igreja existente na ilha de Fernando de Noronha, construída em estilo português em 1737, logo depois da expulsão dos franceses que ali permaneceram durante um ano. Fica perto da sede do governo da Vila dos Remédios.

No Brasil existem muitas, mais de 34, dedicadas a Nossa Senhora dos Remédios, em todo Brasil.

CRONOLOGIA DA HISTÓRIA DE NOSSA SENHORA DOS REMÉDIOS EM ARAUCÁRIA

A paróquia de Nossa Senhora dos Remédios de Araucária, é a 5ª mais antiga do Brasil, com este título. Criada oficialmente em 28/02/1855.


No ano de 1793, surge à primeira capelinha em honra a Nossa Senhora da Luz de Tindiquera, em Araucária. Em 1837, ela recebe o título de Capela Curada. E no dia 20/03/1842, a capela passa a se chamar Nossa Senhora dos Remédios de Yguassu.

O primeiro sacerdote a residir em Araucária, em 1844, foi o padre espanhol, Pe. Manoel José Cabesas de Castro.

No dia 28/02/1855, ocorre a criação oficial da Paróquia Nossa Senhora dos Remédios de Yguassu, sendo o primeiro vigário interino o Pe. Isaías Ribeiro de Andrade e Silva.

Em 1867, há o inicio da segunda reconstrução da igreja, por intermédio do padre João Guerra. Foi concluída em 1903, já na gestão do padre José Anusz e do seu sucessor, Monsenhor José Norch.

Em 1882, acontece a Primeira Crisma, com a primeira visita Pastoral de D. Lino Deodato Rodrigues de Carvalho (09º) Bispo de São Paulo à Araucária.


No período de 1891 a 1904, o padre polonês, Pe. Francisco José Soja é nomeado vigário para atender a colônia polonesa, dando inicio há terceira reconstrução da Igreja.
A realização da primeira festa de Nossa Senhora dos Remédios ocorreu no dia 22/10/1904.


No dia 11/06/1941, há a concessão da Paróquia Nossa Senhora dos Remédios aos padres Vicentinos – Congregação da Missão, e posse do primeiro Vigário Pe. Afonso Paszkiewicz, C. M (1941 - 1951). Em 1942, com o padre Afonso Paszkiewicz, a matriz recebeu novos sinos para a torre, harmônio de dois teclados, pintura externa e nova pia batismal. Mais tarde, ainda na sua gestão, foi construída uma ampla casa paroquial.

É sabido que em 1953, foi aprovada à Lei n. 135, que criava o dia da Padroeira e, também, o feriado municipal de Nossa Senhora dos Remédios.

Em 1954, o Padre João Palka, C. M, inicia a quarta reconstrução da Igreja Matriz, que é concluída pelo padre Francisco Wierzba, C. M, em 1959; sendo está a última grande obra que traz as características arquitetônicas do templo atual.

Segundo o Sr. Alexandre Mikosz, pedreiro que participou da construção da atual Igreja Matriz, a obra levou 12 anos para ser concluída, levando-se em conta todo o acabamento.


Em 10/08/2007, através da Lei 1.752/2007, o dia 30 de outubro é decretado feriado municipal, em louvor a Nossa Senhora dos Remédios, Padroeira do Município de Araucária, Paraná. A referida Lei foi sancionada pelo Prefeito Olizandro José Ferreira (Diário Oficial n° 7540/2007)

Em 27/05/2011, a Paróquia Nossa Senhora dos Remédios foi declarada de utilidade pública através da Lei 2.340/2011, publicada no Diário Oficial do Município de Araucária. A referida Lei foi sancionada pelo Prefeito Albanor José Ferreira Gomes (Diário Oficial n° 1553/2011).

A imagem de Nossa Senhora dos Remédios que está em Araucária é de madeira, tem 27 cm de altura, e mostra a Virgem Maria com o Menino Jesus no braço esquerdo e, o cálice, na mão direita.
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

NOSSA SENHORA DOS REMÉDIOS OU DO BOM REMÉDIO 
Encontrei datas comemorativas diversas. Alguns festejam Nossa Senhora dos Remédios em 30 de outubro, 18 de Agosto, 08 de setembro, etc.
Do mesmo modo encontrei imagens diferentes de Nossa Senhora dos Remédios.

Muitas fugindo da iconografia que é a bolsa do remédio que Nossa Senhora oferece a São João da Mata.

A devoção a Nossa Senhora dos Remédios em Portugal foi introduzida por religiosos franceses da Ordem Hospitalar da Santíssima Trindade, que estiveram em Lisboa no início do século XIII.

A finalidade da ordem era a redenção dos cativos no oriente que elegera Nossa Senhora dos Remédios como sua padroeira.

A confraria espalhou-se pela Europa, especialmente na Península Ibérica.

Até ao século XVIII já havia libertado 900.000 prisioneiros.

Conta-se que São João da Mata e São Félix de Valois fundaram aquela ordem para a libertação dos cativos, em grande número na época, e, não tendo dinheiro para o fim em vista, lhes apareceu Nossa Senhora, entregando-lhes uma bolsa cheia.

Desta maneira deu "remédio" a uma grave situação.A palavra remédio na Idade Média não tinha o mesmo valor que tem hoje, significava, redenção, resgaste.

A partir daí começaram a dar à Virgem Santíssima, o nome de Nossa Senhora dos Remédios.


Talvez por isso as imagens da Senhora dos Remédios aparecem com a mão direita estendida, como quem oferece algo, enquanto a esquerda segura o Menino, fonte de poder contra todos os males.

A intercessão de Maria sempre foi algo presente na Igreja desde o início de nossa fé nos primeiros séculos e é biblicamente possível, pois após a morte todos os Santos estão diante de Deus (Luc 16,22; 20,38; 23,42; Fil 1,23; II Cor 5,1; Apo 7,15; 14,4) e podem interceder por nós, como mediadores secundários que somos ( I Jo 5,16; Tg 5,16; I Tim 2,1; Fil 1,19; II Cor 1,11), pois no céu oram, louvam e servem a Deus sem cessar (Apo 6,9ss; 7,4ss;14,1ss; Luc 16, 19ss;II Mac 4,30;15,12-14).

Eles intercedem apoiando-se em Cristo, que vive para interceder e é o Único Mediador de nossa Salvação ( I Tim 2,5; Heb 7,25; 8,6).

Jesus é a Cabeça do corpo místico da Igreja da qual todos os Santos fazem parte

(I Cor 12,12.20) , vivos e mortos (Rom 14,8;II Cor 5,9; Luc 20,38; I Tes 5,10) , pois a morte não nos separa do Senhor (Rom 8,38-39), ao contrário, nos une ( II Cor 5,6-8; I Tes 5,10; Fil 1,23).

A devoção a Maria, sob a invocação de Nossa Senhora dos Remédios é muito antiga e querida do povo Português.

De Norte a Sul do País encontram-se múltiplas expressões e exemplos dessa dedicação.

A atestá-lo estão não apenas as freguesias que a tomaram como orago, mas os santuários e as muitas capelas construídas que lhe são dedicadas, o número de imagens espalhadas pelo País e as festas que em sua honra se celebram.

No Patriarcado de Lisboa a Paróquia de Carcavelos é um dos exemplos.

(Cfr. P. José do Vale Carvalheira, Nossa Senhora na história e devoção do povo português, Ed. Salesianas)
ORAÇÃO:
Virgem Soberana do Céu e da Terra, estrela resplandecente, Senhora dos Remédios.
Sede em meu favor Mãe de Deus.
Sede o remédio eficaz aos meus males, às minhas aflições, aos meus martírios, aos meus trabalhos, livrai-me da peste, enxugai-o meu prato, alivia-me desta dor que sofro, deste perigo em que estou, desta cilada que me armaram, defendei a minha justa causa, lançai os vossos misericordiosos olhos em torno de mim, o mais indigno e infiel pecador, lançai Virgem Santíssima,sobre mim os vosso olhos de piedade com aquela ternura que lançastes ao Sacrossanto cadáver de Vosso adorado Filho Jesus Cristo quando vos entregaram tão cruelmente maltratado.
Se vos compadecestes destes ingratos algozes, como não fareis a mim que choro, que clamo contra tanta impiedade com Deus tão bondoso!
Rogai,

Senhora dos Remédios,ao vosso amantíssimo Filho, por mim pecador, para que possa, sem receio, entrar nesta celestial corte onde reinais para sempre.Amém.

Rezar três Pai-Nossos, três Ave-Marias à Nossa Senhora dos Remédios.
“À vossa proteção recorremos Santa Mãe de Deus.
Não desprezeis as nossas súplicas Em nossas necessidades,
Mas livrai-nos sempre de todos os perigos,
Ó Virgem gloriosa e bendita!”.
A oração acima ,“Sub tuum praesidium” (À vossa proteção),é a mais antiga oração
a Nossa Senhora que se conhece.


Encontrada num fragmento de papiro, em 1927, no Egito, remonta ao século III.

Maria é verdadeiramente Mãe de Deus, pois foi dela que nasceu Jesus (Mt 1, 16) (Gal 4,4) , o nosso Senhor (Lc1,43), Filho de Deus (Lc1,35) e Deus (Jo 1,1), (Jo 5,18)
com o Pai e o Espírito Santo (Mt 28,19).
FONTES:
http://www.paroquiadecarcavelos.com/index.php?option=com_content&view=article&id=142&Itemid=138

http://www.diarionline.com.br/?s=noticia&id=6625
http://rezairezairezai.blogspot.com.br/2012/07/nossa-senhora-dos-remedios-ou-do-bom.html
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

A HISTÓRIA DE NOSSA SENHORA DOS REMÉDIOS
A devoção a Nossa Senhora, sob o título dos Remédios (ou Bom Remédio, do Remédio), começou com São João de Matha, fundador na Ordem da Santíssima Trindade, e morto em Roma em 17 de dezembro de 1213. Com o objetivo de resgatar os cristãos escravizados na África e no Oriente Médio, São João da Mata e São Felix de Valois fundaram em 1198 a Ordem Hospitalar da Santíssima Trindade. Precisavam, para isso, de vultosas somas em dinheiro. Recorreram, então, ao auxílio de Maria Santíssima, o remédio para todas as necessidades que encontramos na vida. Foram abundantemente atendidos e conseguiram libertar da escravidão milhares de irmãos na Fé.

Na linguagem medieval, os verbos “redímere” e “remediare” e os substantivos “redémptio” e “remédium”, tinham um significado similar: redimir, resgatar, resgate, remédio (com o sentido de salvação, libertação). Isto explica porque, nos escritos dos séculos XVI-XVII, se dão a padroeira os três títulos: “do Remédio”, “do Resgate”, “da Libertação”.
A representação mais antiga hoje conservada é uma imagem românica, que pertenceu à primeira casa dos trinitários em Marselha: a Virgem está sentada, com o Menino no braço esquerdo e com a bolsa de dinheiro no direito. A bolsa alude, como relatam muitos biógrafos, à aparição e ao socorro dado por Nossa Senhora a São João de Matha, em Túnis e em Valência (Espanha). São João de Matha estava sendo atormentado pelos muçulmanos que exigiam o preço duplicado por escravos já resgatados, sob ameaça de reconduzi-los em prisão. Tendo-lhe suplicado fervorosamente como Mãe do Bom Remédio, foi por Ela miraculosamente provido.
Segundo o livro “Invocações da Virgem Maria no Brasil” de Nilza Botelho Megale (3ª. Edição- Ed. Vozes), esta invocação, de sabor tipicamente colonial, era muito popular na velha Lusitânia, principalmente nas cidades de Santarém e Lamego. Foi introduzida em Portugal por religiosos franceses da Ordem da Santíssima Trindade para a redenção dos cativos, que estiveram em Lisboa no início do século XIII.

No Brasil, Nossa Senhora do Bom Remédio é mais conhecida com o título de “Nossa Senhora dos Remédios”. Os frades Trinitários, com suas Confrarias e os devotos, se empenhavam na difusão de suas devoções específicas e assim trouxeram para o Brasil o culto da Virgem dos Remédios, em honra da qual ergueram capelas em várias províncias do Nordeste (Maranhão, Pernambuco e Bahia) e nas regiões barrocas de Minas Gerais.
Em Paraty, sua primeira igreja foi edificada em 1646 num terreno doado por Maria Jácome de Melo, sob a condição de que fosse dedicada à invocação de Nossa Senhora dos Remédios, da qual era muito devota. Nos fins do século XVIII foi iniciada outra matriz, ainda hoje inacabada, pois não possui as duas torres, que encerra alfaias e imagens de grande valor, como a antiga efígie da Senhora dos Remédios, considerada milagrosa.
Em São Paulo, a igreja dos Remédios, com seu frontispício de azulejos e sua história recheada de lendas, estava situada na Praça João Mendes. Era o refúgio dos escravos perseguidos e, nos últimos tempos do Império, o reduto preferido dos abolicionistas. Em 1941 ela foi demolida para o alargamento da praça, conhecida antigamente como Largo dos Remédios.

Dedicada a Nossa Senhora dos Remédios é também a única igreja existente na ilha de Fernando de Noronha, construída em estilo português em 1737, logo depois da expulsão dos franceses que ali permaneceram durante um ano. Fica perto da sede do governo da Vila dos Remédios.

Atualmente no Brasil há 34 Paróquias dedicadas a Nossa Senhora dos Remédios, em todo Brasil, de acordo com o Anuário Católico 2008/2010.

CRONOLOGIA DA HISTÓRIA DE
NOSSA SENHORA DOS REMÉDIOS EM ARAUCÁRIA
A paróquia de Nossa Senhora dos Remédios de Araucária, é a 5ª mais antiga do Brasil, com este título. Criada oficialmente em 28/02/1855.
No ano de 1793, surge à primeira capelinha em honra a Nossa Senhora da Luz de Tindiquera, em Araucária. Em 1837, ela recebe o título de Capela Curada. E no dia 20/03/1842, a capela passa a se chamar Nossa Senhora dos Remédios de Yguassu.

O primeiro sacerdote a residir em Araucária, em 1844, foi o padre espanhol, Pe. Manoel José Cabesas de Castro.

No dia 28/02/1855, ocorre a criação oficial da Paróquia Nossa Senhora dos Remédios de Yguassu, sendo o primeiro vigário interino o Pe. Isaías Ribeiro de Andrade e Silva.

Em 1867, há o inicio da segunda reconstrução da igreja, por intermédio do padre João Guerra. Foi concluída em 1903, já na gestão do padre José Anusz e do seu sucessor, Monsenhor José Norch.
Em 1882, acontece a Primeira Crisma, com a primeira visita Pastoral de D. Lino Deodato Rodrigues de Carvalho (09º) Bispo de São Paulo à Araucária.

No período de 1891 a 1904, o padre polonês, Pe. Francisco José Soja é nomeado vigário para atender a colônia polonesa, dando inicio há terceira reconstrução da Igreja.

A realização da primeira festa de Nossa Senhora dos Remédios ocorreu no dia 22/10/1904.

No dia 11/06/1941, há a concessão da Paróquia Nossa Senhora dos Remédios aos padres Vicentinos – Congregação da Missão, e posse do primeiro Vigário Pe. Afonso Paszkiewicz, C. M (1941 - 1951). Em 1942, com o padre Afonso Paszkiewicz, a matriz recebeu novos sinos para a torre, harmônio de dois teclados, pintura externa e nova pia batismal. Mais tarde, ainda na sua gestão, foi construída uma ampla casa paroquial.

É sabido que em 1953, foi aprovada à Lei n. 135, que criava o dia da Padroeira e, também, o feriado municipal de Nossa Senhora dos Remédios.
Em 1954, o Padre João Palka, C. M, inicia a quarta reconstrução da Igreja Matriz, que é concluída pelo padre Francisco Wierzba, C. M, em 1959; sendo está a última grande obra que traz as características arquitetônicas do templo atual.
Segundo o Sr. Alexandre Mikosz, pedreiro que participou da construção da atual Igreja Matriz, a obra levou 12 anos para ser concluída, levando-se em conta todo o acabamento.

Em 10/08/2007, através da Lei 1.752/2007, o dia 30 de outubro é decretado feriado municipal, em louvor a Nossa Senhora dos Remédios, Padroeira do Município de Araucária, Paraná. A referida Lei foi sancionada pelo Prefeito Olizandro José Ferreira (Diário Oficial n° 7540/2007)

Em 27/05/2011, a Paróquia Nossa Senhora dos Remédios foi declarada de utilidade pública através daLei 2.340/2011, publicada no Diário Oficial do Município de Araucária. A referida Lei foi sancionada pelo Prefeito Albanor José Ferreira Gomes (Diário Oficial n° 1553/2011).

A imagem de Nossa Senhora dos Remédios que está em Araucária é de madeira, tem 27 cm de altura, e mostra a Virgem Maria com o Menino Jesus no braço esquerdo e, o cálice, na mão direita.

fonte:http://www.sementesdoreino.com.br/oracao_n_sra_dos_remedios.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário